Os 5 piores erros

Transtorno Bipolar

COMPARTILHE

Voltar

Já vimos aqui que o TBP, ou o Transtorno Bipolar é uma condição crônica e chega a atingir até 2% da população.  Sua principal característica é a variação de humor, ou seja, uma pessoa com Transtorno bipolar oscila entre dois polos: o de mania e o de depressão.

No geral, acredita-se que essa variação ocorre o tempo todo, mas na realidade essas condições podem durar dias, semanas e até meses.

Em tempos de mania, o indivíduo se comporta de forma eufórica, agitada e impulsiva. É bem comum que pacientes se sintam extremamente capazes e tomem atitudes precipitadas, como a compra de um bem de alto valor ou até mesmo um pedido de demissão. Na fase de depressão, a pessoa chega a sentir-se desmotivada e incapaz. Em alguns relatos, pacientes disseram que não conseguiam encontrar sentido para as coisas e que se sentiam extremamente ‘vazias’.

Esses sintomas são altamente incapacitantes e pode privar alguém de suas tarefas diárias, por isso é muito importante que a doença seja diagnosticada e tratada o quanto antes.

Abaixo, veja quais são os maiores erros cometidos por quem sofre ou já sofreu de Transtorno Bipolar:

- Não aceitar que o TBP é uma doença

Geralmente as pessoas não entendem que o Transtorno bipolar é uma doença crônica e que, assim como a hipertensão, tem tratamento. É bem comum que se subestime a variação de humor e que se lide com ela como algo passageiro e corriqueiro.

- Não contar sobre o que está passando para os seus amigos e familiares

Até mesmo por subestimar a doença, os indivíduos que passam por episódios de TBP geralmente sentem-se recuados, ou envergonhados, e não falam com as pessoas do seu círculo de amizades sobre o que está enfrentando. Esconder isso impede de que as pessoas possam oferecer ajuda, ou simplesmente que elas entendam a mudança de comportamento.

- Se automedicar

Esse é um erro muito frequente em pacientes que sofrem desse mal. As pessoas tendem a acreditar que o mesmo medicamento que a mãe, o irmão, o primo tomava e não toma mais, é o ideal para elas. Porém, como cada organismo tem as suas peculiaridades, cada doença, ou o medicamento, pode se comportar de uma forma singular.

- Não buscar ajuda de um profissional

Por não dar a devida importância para o Transtorno Bipolar, ou até mesmo por não acreditar que ele é uma doença, as pessoas não buscam por um profissional e por um tratamento logo nos primeiros episódios. Geralmente, os indivíduos esperam até que as crises se agravem e que afetem drasticamente o seu cotidiano.

- Interromper o tratamento por conta própria

O ideal é que haja um relacionamento de confiança entre o médico psiquiatra e o paciente e que, caso surja uma necessidade de interromper o tratamento, essa necessidade seja conversada e planejada para que cause o menor transtorno possível para o paciente.

Publicado: 22/06/2017


AnteriorPróximo